• Clau Gazel

30 anos da Fondation Cartier pour l’art contemporain: Mémoires Vives


30 ans Fondation Cartier pour l'Art Contemporain

Em 2014 a Fondation Cartier pour l’art Contemporain completa 30 anos de vida e em comemoração traz a exposição Mémoires Vives, com uma programação de shows, debates, performances, apresentações e discussões. Da pintura à música, o evento se constrói em torno das mais variadas formas de arte, diversidade que é indissociável do papel da Fondation Cartier no universo artístico.

A História da Fondation Cartier

“Na origem da ideia da criação da Fondation Cartier, está César”– Alain Dominique Perrin, Presidente da Fondation

A história da Fondation Cartier tem início em outubro de 1984, quando Alain Dominique Perrin, na época presidente internacional da Maison Cartier, decide criar um espaço dedicado à arte contemporânea. No início não era bem esta a ideia do executivo. Diante das inúmeras falsificações de relógios da Cartier, Perrin pensou em criar algo relacionado à proteção dos direitos autorais dos artistas. Mas a verdade é que, em contato com alguns artistas, Perrin não teve a receptividade que esperava. Na ocasião, seu amigo e escultor César Baldaccini confessa a Perrin que seria preferível criar um novo lugar de exposição a se ocupar com questões relacionadas aos direitos autorais. E ele mesmo levou o executivo para visitar o terrreno nos arredores de Paris onde a Fondation foi criada.

Foi em Jouy-en-Josas, pequena cidade que faz limite com Versailles, que se estabeleceu a Fondation Cartier, a primeira fundação francesa ligada à iniciativa privada. Tendo como pilar mestre a valorização da arte, todos os outros surgiram como derivação natural do projeto: criação, descoberta, diversidade e inexistência de limites deram asas ao projeto pioneiro. De artistas mundialmente conhecidos aos jovens talentos, de grandes obras da arte comtenporânea à arte popular e primitiva, tudo tem espaço na Fondation Cartier. A prioridade era não ter prioridades e essa abertura de mentalidade culminou com a criação de um dos espaços de manifestação mais livres do país.

O projeto de uma fundação com identidade própria, dedicada integralmente à inovação no âmbito artístico e intelectual e total e radicalmente separada da Maison Cartier, incitou a criação da primeira lei sobre o mecenato na França, a Loi  Léotard (julho de 1987), constituindo assim um marco na história do desenvolvimento da cultura na França.

Após 10 anos em Jouy-en-Josas, a Fondation conquistou a capital. Num terreno nos arredores de Montparmasse, o arquiteto francês Jean Nouvel ergueu seu “monumento à Paris”, um projeto audacioso que vai de encontro aos princípios da Fondation Cartier. Tendo o vidro como elemento principal do imóvel, liberdade, criatividade e visibilidade são invocadas através da arquitetura. E o chamado “monumento a Paris”de Jean Nouvel, aberto e transparente, surge como mais uma forma de expressão do comprometimento da Fondation Cartier com a arte contemporânea.

Com o passar dos anos, exposições polêmicas como Hommage à Ferrari (1987 – exposição acerca dos veículos da marca italiana), inusitadas como Vraiment Faux (1988 – exposição que, entre outros objetos falsificados, reuniu uma série de Mosalisas falsas), verdadeiramente reveladoras e originais como Histoires de Voir (2012 – Provenientes do Brasil, Índia, México, Haiti, Japão ou EUA, a exposição deu ênfase ao trabalho de artistasque raramente são convidados para exposições de arte contemporânea, sendo a maioria deles autoditadas) e bem sucessidida como Rom Mueck (2013 – Com nove esculturas gigantes, a exposição atingi um público de 310.000 visitantes) aparecem na programação e reafirmam, com o passar dos anos, a importância da liberdade e da diversidade no universo artístico e, em especial, nesses 30 anos da Fondation Cartier.

“David Lunch, Patti Smith ou até Depardon, sem falar de matemática ou dos Yanomami…  só fazemos coisas bizarras, inesperadas. É isso que nos tornou famosos e traz hoje pessoas do mundo todo à fundação.” (Alan Dominique Perrin).

É um pouco disso tudo que será possível ver, sentir e ouvir durante as comemorações do seu 30º aniversário.

Memoires Vives


Méroires Vives_Fondation Cartier

A comemoração de aniversário está apenas começando. De 10.05 a 21.09.2014 obras de artistas que marcaram e fazem parte dessa história estarão expostas. Ron Mueck, Alessandro Mendini, Véio, Chéri Samba e tantos outros ocupam os dois andares da Fondation Cartier.


Aniversário Fondation Cartier 1

Aniversário Fondation Cartier 2

Salão principal no andar térreo exibe mural pintado por Alessandro Mendini (no fundo, à esquerda) e escultura do mesmo artista, Cavalieri di Durer (no fundo, à direita). O avião Kelvin 40, que ocupa a maior parte do espaço, é de Marc Newson. As luminárias são de Issey Miyake.


Aniversário Fondation Cartier 3

La Vrai Carte du Monde – Chéri Samba, 2011: pintura acrílica pertencente à coleção da Fondation Cartier pour l’art Contemporain.


Aniversário Fondation Cartier 4

Aniversário FOndation Cartier 5

Bodys Isek Kingelez, Projet pour le Kinshasa du troisieme millénaire – 1997: instalação em materiais diversos, como caixas de cigarro e embalagens de queijo. Pertence à coleção da Fondation Cartier pour l’art Contemporain.


Aniversário Fondation Cartier 6

In Bed – Ron Mueck, 2005: a escultura gigantesca ocupa praticamente sozinha uma das salas do subsolo da Fondation Cartier. Dá para chegar bem pertinho, e sentir a sensação estranha de que a escultura é quase uma pessoa, com cabelos de verdade e veias azuis sob a pele.


Fondation Cartier_filmes

No térreo, a tela gigante exibe diariamente diversos filmes e documentários. São 9 horas ininterruptas com obras de Beatriz Milhazes, Raymond Depardon, David Lynch,  Agnes Varda e outros. A programação completa está no site criado especialmente para o evento.

Programação noturna de eventos

15.05.2014, 21h – Une soirée imaginée par Anne-James Chaton – poesia, performance e música

20.05.2014, 21h – Meredith Monk avec Katie Geissinger en Concert – música ppor Meredith Monk, uma das vozes mais célebres dos EUA.

05.06.2014, 21h – Une soirée imaginée par Charlie le Mindu – mistura entre rap, rock e música eletrônica.

12.06.2014, 21h – Bettina Atala – stand up comedie.

10.07.2014, 21h – Swans, by Patti Smith – homenagem ao cineasta Pelechian.

11.07, 2014, 21h – Une Bat Night – Com Patti Smith e o Musée de Histoire Naturelle de Paris, uma noite à escuta de espécies de morcegos encontrados nos jardins da Fondation.

Anote: Fondation Cartier – 261, boulevard Raspail – 75014; 10.05 a a 21.09.2014; seg/dom.  11h/20h (ter até 22h); ingresso – 10,50 euros; passe ilimitado durante a exposição – 20 euros; metrô Raspail/linhas 4 e 6.

#artecontemporâneaemParis #dicasdeParis #exposiçõesdeartecontemporâneaemParis #FondationCartierpourlArtContemporain

0 views0 comments