• Clau Gazel

Uma semana em Paris – Revista Go Where n. 88

O verão é a estação do ano mais festejada na Europa. Não é para menos. O rígido e interminável inverno afasta os europeus das ruas, parques e praças. E os turistas preferem escolher outra época para explorar o velho continente. Mas chegou a hora! No dia 22 de junho começou oficialmente o verão e Paris espera por você. Para tornar sua visita ainda mais interessante, preparamos um roteiro de uma semana, original e atualíssimo, para você aproveitar os dias longos para conhecer lugares inusitados, sentir o clima dos parques e ter novas experiências culturais e gastronômicas. Bon voyage! Por Claudia Gazel

Instituto do Mundo Árabe


Dia 1

Manhã – Comece o dia bem cedo para evitar filas no museu L’Orangerie, no Jardins des Tuileries, próximo ao Obelisco. A grande atração é a série As Nymphéas, que Monet pintou em Giverny. Em duas salas ovais enormes estão expostas telas em tamanho gigante que nos dão a nítida impressão de estarmos dentro dos jardins que tanto inspiraram o pintor. Além disso, você verá obras de Rousseau, Modigliani, Laurencin, Matisse, Picasso, Derain, Utrillo e Soutine. Para o almoço, a sugestão é a conceituada Brasserie Flottes, na 2, Rue Cambon. No número 31 da Rue Cambon você também pode visitar a primeira loja de Coco Chanel em Paris, fundada em 1915.

Tarde – Siga dali para a Rue Saint-Honoré. No número 213 fica a Collete. Considerada um reduto de fashionistas, a loja de 700 m2 reúne moda, design, arte, música e tecnologia. No setor de beauté, produtos diferenciados, como os esmaltes da marca USLU e os cosméticos da Wild Cow. No número 256 da mesma rua, o Café Verlet é uma opção agradabilíssima para uma pausa na tarde. No  cardápio, cafés e chás do mundo todo e frutas confitadas. No número 201, a loja do chocolatier Michel Cluizel é uma verdadeira perdição. Acabe o dia no Jardin du Palais Royal e conheça as polêmicas Colunas de Buren.

Noite – Já com reserva feita (imprescindível), siga para o restaurante Ferdi (32, Rue du Mont Thabor). Bonecos, brinquedos e retratos antigos dão personalidade ao local e a seu cardápio. Entre as diversas tapas, não deixe de provar os Camarões empanados com molho agridoce. Como prato, minha sugestão é o hambúrguer, que ficou famoso após Angelina Jolie afirmar que era o melhor da cidade. E é, servido ao ponto com molho especial (cebola caramelizada e maionese) e com picles na medida… O Mojito também é maravilhoso!

Dia 2

Manhã – Separe a manhã para conhecer o Museu Rodin (79, Rue de Varenne) e desfrutar de seus jardins, verdadeiro convite à contemplação. Para o almoço, faça reservas no Le Florimond (19, Avenue de la Motte-Picquet). De entrada, prove os divinos raviólis de lagosta, especialidade da casa. O chou farci (repolho recheado), preparado segundo a receita da avó do chef, também é destaque.

Museu Rodin


Tarde – Reserve a tarde para um passeio tranquilo no Jardin des Plantes (57 Rue Cuvier). A poucos metros dali fica a Mesquita de Paris (2, bis Place du Puits de l’Ermite), aberta à visitação. Antes ou após a visita, experimente o chá de menta no restaurante anexo à mesquita. De lá, siga a pé para o Institut du Monde Arabe e visite a exposição de Zaha Hadid, um dos grandes nomes da arquitetura moderna (1, Rue des Fosses Saint-Bernard).

Noite – Que tal jantar apreciando uma das vistas mais bonitas de Paris? O Institut du Monde Arabe, além de biblioteca, museu, espaço para shows e loja, tem um restaurante fabuloso no último andar, o Le Zyriab, by Noura (1 rue des Fossés St Bernard), de onde se tem uma vista magnífica do Sena e da Notre-Dame.

Dia 3

Manhã – Siga para o Le Bon Marché(24, Rue des Sèvres). Bem mais tranquila que outras lojas de departamentos da cidade, o shopping pertencente ao grupo LVMH tem quatro andares repletos de produtos das grifes mais cobiçadas do mundo: Chanel, Louis Vuitton, Dior, Marcs Jacobs, Prada, Missoni, Diane Von Furstenberg, Isabel Marant, Proenza Schouler e muito mais. Além de roupas, sapatos e cosméticos têm um andar impecável dedicado a cama, mesa e banho e decoração. A livraria/papelaria também é deixar qualquer um louco. Para fazer o dia render, o ideal é almoçar no restaurante de lá. Não deixe de visitar a Grande Epicerie, luxuoso supermercado do Le Bon Marché. Os melhores vinhos, champagnes e chocolates você encontra por lá.

Tarde – Agora é a hora de percorrer Saint-Germain. Perto dali, continue na Rue des Sèvres, e vá até a Hermès. A (135, Rue Saint-Dominique), loja localizada no número 17 é um show de criatividade. No número 38 da Rue de Grenelle fica a loja do Louboutin; no número 51, Rue du Four, fica a Repetto, que faz as famosas sapatilhas francesas. Outra queridinha das locais, a Longchamp, também está por ali: 21, Rue du Vieux-Colombier. No número 1 dessa mesma rua você encontra a Zadig e Voltaire e, no numero 6, a Agnes B. Siga para a Rue Bonaparte. A loja da Nespresso fica no n. 64. Para recuperar as energias, dê uma passada no Pierre Hermé (72, Rue Bonaparte), famoso pâtissier francês, e não deixe de provar o Infinement Vanille.

Loja Hermes


Noite – Com reserva feita, siga para o Le Violon d’Ingres. O chef Constant acumulou muita experiência no Ritz e no Les Ambassadeurs antes de  abrir seu próprio restaurante em 1998. Hoje tem mais duas casas na mesma rua.

Dia 4

Manhã – Comece visitando a Rue Daguerre (metrô Denfert Rochereau). Lojas e gastronomia num mesmo corredor. A Fromagerie Vacroux et Fils, no número 5, tem a maior variedade de queijos que já vi numa só loja. E a geleia de cereja a granel é uma das melhores iguarias que se pode encontrar em Paris. A Boutique Valette, no número 16, é especializada em foie gras. Para o almoço sem pressa, a dica é o Le Comptoir (9, Rue Carrefour de l’Odeon), bistrô que está sempre cheio, com fila para ocupar as mesas ao ar livre, já que a casa não trabalha com reservas. Da cozinha comandada pelo chef Yves Candeborde saem deliciosos grelhados, como carré de cordeiro e coxa de pato, atum com legumes, a saborosíssima salada com foie gras.

Tarde – Caminhe pela belíssima Ponte Alexandre III em direção ao Grand Palais pela Avenue Winston-Churchill. O maior e mais importante palco de exposições do país vale a visita, embora seu espaço maior, a chamada “nave”, fique fechado até outubro. No espaço anexo (Palais de la Decouverte), há uma exposição sobre o russo Yuri Gagarin, o primeiro homem no espaço, e várias atrações para crianças, o que deixa o local muito cheio. Mas bem em frente há o fantástico Petit Palais. Além da coleção permanente, até o dia 18 de setembro pode ser visitada a exposição Charlotte Perriand (1903-1999) – Da fotografia ao design. Uma verdadeira viagem pela história do design de mobiliário da escola de Le Corbusier, Pierre Jeanneret e Fernand Léger, além de uma série de fotos de objetos e de natureza que inspiraram o trabalho de Charlotte. Depois, faça uma pausa no Café do museu, ótimo para apreciar com calma o jardim do local.

Jardim do Petit Palais


Noite – A dica para a noite é o Chez L’Amie Jean (27, Rue Malar). A culinária basca é a especialidade do restaurante comandado pelo talentoso chef Stéphane Jego. O ambiente é bastante descontraído. Prove o coquille Saint-Jaques e oarroz doce. Faça reserva, pois a casa vive lotada.

Dia 5

Manhã – Comece o dia na Rue Saint-Paul. Localizada no Marais, mas bem mais  tranquila do que o restante do bairro, ela esconde um tesouro chamado Village Saint-Paul, que foi residência de Carlos V no século 7 e tornou-se a paróquia dos reis da França 1361-1559. Em 1979, o local foi revitalizado e hoje virou uma charmosa vila ajardinada, com lojas, ateliês, antiquários e galerias de arte. A Patch World tem bijoux especiais, de designers selecionados a dedo. A Niou trabalha com sensacionais brinquedos educativos. A Sentou (29, Rue François Miron), especializada em peças de design, fica na região. Dali, siga até a Place des Vosges. O Ma Borgogne (19, Place des Vosges) é uma ótima opção para um aperitivo antes do almoço.

Tarde – Reúna o útil ao agradável e vá até a Merci (111, Boulevard  Beaumarchais), onde você poderá fazer compras e almoçar no restaurante que segue a onda bio da capital francesa. Além disso, todo o resultado da loja é destinado ao auxílio de crianças carentes, especialmente em Madagascar. Há setores de roupas e acessórios, casa e decoração, e artigos de cozinha de muito bom gosto.

Entrada da Merci


Noite – Para jantar, o Le Perron (6, Rue Perronet) tem comida italiana de qualidade incomparável. Prove o Talharim com lagostim e aspargos e o saborosíssimo Zabaione de sobremesa. Reserve.

Dia 6

Manhã – Comece o dia na boulangerie Eric Kaizer (8, Rue Monge). A baguete é inesquecível. Leve uma à francesa, debaixo do braço. Experimente também o croissant e o pain au raisin. Suba a Rue de la Montagne Sainte-Geneviève até a Eglise Saint-Etienne-du-Mont: bem-vindo ao principal cenário do recém-lançado filme de Woody Allen, Meia-Noite em Paris. Uma vez na Place du Panthéon, conheça o prédio da Sorbonne – apenas por fora, pois não é aberto à visitação. Se o tempo estiver aberto, aproveite para subir na cúpula do Panthéon. Ainda no bairro, almoce no L’A.O.C. (14, Rue des Fosses Saint-Bernard). As especialidades são as carnes assadas, principalmente o leitão. O Steak Tartare é de dar água na boca e peça um vinho rosé, que chega bem gelado à mesa. Finalize com uma clássica tarte tatin, uma das melhores da cidade.

Tarde – Tire a tarde para percorrer o 5. arrondissement em busca de algumas das melhores guloseimas da cidade. O Le Bonbon au Palais (19, Rue Monge) temdoces, chocolates, balas, gomas, confeitos, bombons e pirulitos vindos de todas as regiões da França. Feitos à moda antiga, fazem a gente voltar a ser criança. A loja já foi indicada por Alain Ducasse como a melhor do ramo em Paris. Experimente o figo caramelizado e guimauve (espécie de maria-mole) de cereja. Surpreenda-se também com a pâtisserie de Carl Marletti (51, Rue Censier). Depois de adquirir experiência no Grand Intercontinental e no famoso Café de la Paix, o pâtissier abriu no fim de 2007 sua própria loja nas redondezas da Rue Moufettard. O doce que leva o nome da rua (Censier), feito com ganache, é a dica certa.

Noite – Para uma noite mais agitada, programe-se para assistir a um show de jazz na casa mais famosa de Paris, a Ducs de Lombards (42, Rue dês Lombards). Confira a programação no site e compre ingressos com antecedência. A casa tem restaurante.

Dia 7

Manhã – Reserve o período da manhã para conhecer o Museu Quai Branly (37, Quai Branly). A dica é almoçar no restaurante Les Ombres que, localizado no último andar do edifício, tem vista privilegiada da Torre Eiffel. Com clima favorável, o ideal é reserva uma mesa no terraço.

Tarde – Aproveite sua última tarde na cidade para conhecer o Parc Monceau (metrô Monceau). Ele foi construído em 1860 por um banqueiro judeu, Emilie Pereire, e virou o bairro nobre dessa comunidade. Proust morou no n. 45 da Rue de Courcelles e Colette morou com seu primeiro marido no n. 93.

Noite – Torça para que a noite esteja linda e reserve uma mesa no Georges, o restaurante que fica no último andar do Centre George Pompidou  (Place George Pompidou) e despeça-se de Paris com uma das melhores vistas que se pode ter da cidade.

Depois desta semana, duvido que vocênão renove sua paixão por Paris… Au revoir!

Este texto está na Revista Go Where Luxo, número 88, publicada em julho de 2011.

#dicasdeParis #roteirocompletoemParis #roteirodeumasemanaemParis

0 views0 comments