• Clau Gazel

VIAGENS DE CLAUDIA – Elas e Lucros n. 17

Uma agradável surpresa

Descobrir que os franceses podem ser bem-humorados e gentis foi a melhor recepção em Paris

Não posso mentir: uma das coisas que mais me davam medo ao pensar em mudar para Paris eram os franceses. Nada pessoal. Pelo contrário, conheço poucos. Ou melhor, conheço bem uma francesa, Marienne, minha excepcional professora de francês. E ela é dessas pessoas fantásticas que deixam sua marca para sempre. Mas Mariennes à parte, tinha medo dos franceses, assumo. Não existe um ditado que diz que quem tem fama deita na cama? Então. Eu tinha medo dos franceses, por sua fama de mal-humorados. Eu sei que não sou de levar desaforo para casa, mas não é bem esse o ponto. É mais além. Diria que envolve receptividade. Para você se sentir em casa, não basta que os anfitriões a aceitem, eles precisam tratá-la bem. E eu queria me sentir em casa. Primeira manhã em Paris, ando pelo bairro para fazer o reconhecimento da área. É verdade que, quando é novidade, tudo é lindo… Mas aqui tudo é lindo, vou fazer o quê? Deslumbrada com uma boulangerie aqui e uma floricultura ali, eu deparo com uma loja de fondues  – só de fondues – que rouba minha atenção. Quando começo a reconhecer os produtos – eu provei e delirei com o mesmo fondue há dois anos na Provence –, meu marido é abduzido pela loja (a Aux Anysetiers du Roy, no número 45 do Boulevard Saint Germain, quase na esquina com a Rue Monge.  Metrô: Maubert-Mutualité). E eu, do lado de fora, crio coragem e saco minha máquina fotográfica da bolsa, já imaginando a bronca que estava por vir: você está com aquela mulher? E ela está fotografando minha loja por quê, posso saber, Monsieur? Pas de photo, Mademoiselle (Nada de fotos, Senhorita)! Meu marido surge na porta, me resgata dos meus pensamentos sombrios e faz um sinal para eu entrar. Entro e o papo – em francês – já está estabelecido, rolando fluentemente. Fui tomada por um certo alívio. “Eu contei para ela que experimentamos o fondue no sul da França e amamos. Nem acreditamos quando vimos a loja”, diz ele. Ela sorri, agradece, pede licença e se abaixa em direção ao chão. Ressurge depois de abrir um armário e nos presenteia com dois copinhos do delicioso fondue. Não sei qual foi a cara que fiz naquele momento, mas, para quem estava esperando tomar bronca, ser maltratada ou sei lá mais o quê, devo ter feito uma cara boa… Boa, não, ótima. Merci beaucoup, merci beacoup, merci beaucoup, Madame. Obrigada pelo fondue, pela gentileza, pelo sorriso, por me fazer perder o medo e perceber que as palavras mágicas – bonjour, merci, madame – são realmente mágicas. E um petit secret: não importa como está o seu francês, use-o ou ao menos tente usá-lo. Já ganhou 50% da simpatia de quem te ouve. Andei o dia todo com 500 gramas de fondue dentro da bolsa… E sorri, como sorri naquele dia, o meu primeiro dia em Paris! Algumas recomendações úteis para se sair bem quando viajar para Paris: – evite comprar o bilhete unitário de metrô, pois o lote com dez bilhetes sai bem mais em conta (unitário 1,70 euro e dez bilhetes 12 euros); – guarde o bilhete de metrô usado até sair da estação. Se a fiscalização solicitar o bilhete e você não o tiver para exibir, será multado. Atualmente, essa multa é de 40 euros; – faça reservas em restaurantes nos fins de semana e sempre confira os horários de funcionamento; – fique atento aos feriados, em que praticamente tudo fecha, especialmente nos dias 1/5 (Dia do Trabalho), 25/12 (Natal) e 1/1 (Ano-Novo); – a bicicleta é um meio de transporte fácil e rápido em Paris e você pode contratá-la por períodos de um ou sete dias; – as boulangeries (padarias) são maravilhosas e estão espalhadas por toda parte. Faça suas compras e aproveite os vários parques da cidade para fazer piquenique. São uma opção barata, deliciosa e muito típica. Mais dicas no blog www.aviagemcerta.com.br.

0 views0 comments

Recent Posts

See All